Psicologia

Psicologia

Transtornos Alimentares (TA) são caracterizados por alterações graves na conduta alimentar, podendo levar ao emagrecimento excessivo, ou à obesidade, ou ainda a problemas físicos e outras incapacidades. A Terapia Cognitiva Comportamental (TCC) é a linha da psicologia que pressupõe que o sistema de crenças do indivíduo exerce um importante papel no desenvolvimento de seus sentimentos e comportamentos, e, por isso, trabalha com a ideia de que o paciente com transtorno alimentar possui crenças distorcidas e disfuncionais acerca do peso, formato corporal, alimentação e/ou valor pessoal significativas.

Através do levantamento de causas das dificuldades e das estratégias que podem ser utilizadas no tratamento, a terapia busca orientar pacientes a identificarem pensamentos que possam conter alguma distorção, e a analisarem as evidências disponíveis que possam confirmar ou refutar o pensamento distorcido, tornando-o mais funcional.

A Terapia Cognitiva Comportamental é objetiva e busca atingir resultados a curto e médio prazo. Dentre os quais, os principais são:

  • Aumento da autoestima, através da qual é desenvolvida uma avaliação multifacetada de valor pessoal, apoiando-se em outros atributos além da aparência;
  • Desenvolvimento de habilidades sociais, tais como expressar sentimentos e pensamentos, iniciar, manter e encerrar metas, responder a criticas, fazer e receber elogios;
  • Modificação do comportamento nas relações interpessoais, no desenvolvimento de crenças de autoeficácia;
  • Modificação dos hábitos alimentares para ajudar na melhora das escolhas nutricionais, aumento ou perda de peso, adesão para o exercício físico com um programa de atividade compatível com a realidade do paciente, e qualidade de vida.

O trabalho inclui também técnicas de prevenção de recaídas para aumentar a probabilidade de manutenção dos resultados, técnicas de normalização do padrão alimentar, estratégias para controle de episódio de compulsão alimentar, estratégias para aquisição de comportamentos compensatórios adequados, e técnicas de autocontrole para redução da ansiedade, tristeza e outros sentimentos considerados facilitadores do episódio de compulsão alimentar.